Consequências de próteses ou coroas mal adaptadas

Consequências de próteses ou coroas mal adaptadas
Consequências de próteses ou coroas mal adaptadas
Classificação do Usuário: 0 (0 votos)

Situação clínica muito comum nos dias de hoje são as coroas ou próteses mal adaptadas, ou seja, durante seu processo de fabricação a borda da coroa não se adapta corretamente com a margem do dente restaurado, acarretando em alguns sinais e sintomas específicos.

Uma das primeiras consequências dessas coroas desajustadas é a inflamação gengival, caracterizada pela presença de halo vermelho intenso ao redor da coroa, seguida de sangramento. Associado ao desajuste marginal das próteses existe o acúmulo de placa bacteriana, que invariavelmente instala um processo de gengivite, podendo evoluir para periodontite. Um sinal clínico extremamente significativo é o mau odor, principalmente sentido ao passar do fio dental que muitas vezes desfiam nessas situações.

Clinicamente as coroas podem não ter adaptação perfeita por alguns motivos, desde falha no preparo do dente, no molde e até mesmo na colagem do mesmo. Outra deficiência está relacionada à confecção no laboratório de prótese, quando não é utilizada a ampliação com microscopia para definição dos bordos.

Naturalmente que essa condição clínica não é satisfatória, sendo indicada a substituição por novas coroas com materiais altamente biocompatíveis. Dentre os materiais mais utilizados ultimamente tem-se o Óxido de Zircônio (Zircônia) que é uma cerâmica altamente densa, estética e que é capaz de substituir as infraestruturas metálicas. Como resultado tem-se próteses naturais e com saúde do tecido gengival.

 

Dr. Eduardo Vedovatto
CROSP 79063 – Cirurgião-Dentista
Especialista em Prótese Dentária – Mestre e Doutor em Reabilitação Oral – Professor Doutor do Mestrado em Implantodontia da SL Mandic
R. Paulo Setubal, 586 – Nova Valinhos – 19 3869-2750