Giovanna Antonelli

Giovanna Antonelli
Giovanna Antonelli
Classificação do Usuário: 0 (0 votos)

Giovanna Antonelli é inspiração para expectadoras que a acompanham na TV, e isso se reflete especialmente em seus cortes, tons de cabelo e na conduta familiar, na criação de seus filhos. No auge de seus 40 anos, enquanto formadora de opinião, sua influência junto ao público vai além. Casada com o diretor de “Sol Nascente” (sua novela atual), Leonardo Nogueira, com quem teve as gêmeas Antônia e Sophia em 2010 (Ela também é mãe de Pietro de seu casamento com Murilo Benicio), a bela revela que é possível trabalhar fora e criar bem os filhos, sem deixar o marido de lado. Na trama das seis, o clima entre ambos é profissional, mas tem “gostinho de férias”, segundo a bela. Ela é Alice, uma pessoa centrada e objetiva na vida. Em mais de 20 anos de história na dramaturgia, as crias fictícias compostas por Gio marcaram fases importante de sua vida. Tudo em nome da arte que virou seu reduto incondicional. Neste bate papo ela conta mais detalhes de seus projetos. Confira.
Revista Total: Recentemente você viveu a vilã Atena em “A Regra do Jogo”. Como foi fazer essa transição para o horário das seis dando vida a uma personagem bem diferente em tão pouco tempo?
Giovanna Antonelli: Sou grata pela oportunidade que tive de trabalhar com esse time incrível, com o João (Emanuel Carneiro, autor de A Regra do Jogo), e Amora (Mautner, diretora), pessoas que admiro, foi muito bom. Agora está sendo um prazer entrar na alma japonesa. Vim de um trabalho anterior onde eu tinha de gesticular bastante. Minha personagem atual se comporta diferente. Como atriz é maravilhoso. Na minha profissão, o mais importante para mim é a diversão.

RT: A cada novo trabalho você surge linda com um visual diferente. Curte essas mudanças?

GA: Eu adoro mudar, acho um barato. Assim como espero algo novo o público também. A proposta é inovar sempre.

RT: Suas personagens ditam moda e estilo é assim quase sempre…

GA: O que a personagem veste realmente é muito importante. Dita tendências e criações nas roupas, acessórios, sapatos, cabelo…

RT: Costuma ser eclética na hora de montar um look?

GA: Meu estilo muda conforme o cabelo. Não consigo me repetir, enjoo de mim mesma. Se não fosse atriz, ainda sim, gostaria de estar sempre diferente.

RT: Uma peça que nunca falta em seu closet?

GA: Calça jeans. É uma peça básica que valoriza o corpo de qualquer mulher.

RT: Quais são seus segredinhos para manter o corpo sempre em dia?

GA: Final de semana eu libero os doces e, durante a semana, seguro a onda. É a lei da compensação. Tenho um restaurante natural, faço alimentação orgânica e saudável. Bebo água alcalina e completo com o CrossFit há dois anos, um detox… (risos). São vários recursos para ter uma vida saudável e feliz.

RT: É verdade que você é viciada em chocolate?

GA: Amo! Costumo dizer que sou chocólatra, principalmente nos momentos de TPM (risos).

RT: A TPM aflora de que forma em sua personalidade?

GA: Varia muito. Às vezes fico emotiva ou muito zangada, mas procuro me controlar.  Me sinto mais inchada nesses períodos… Uma drenagem linfática me dá um help.

RT: Fale um pouco como representante da mulher contemporânea, que trabalha fora, toca paralelamente seus próprios negócios e não deixa de priorizar cuidados com os filhos e marido.

GA: Mesmo gravando muito amo o que faço. Eu me desdobro para ser mãe, mulher e esposa. Toco as coisas que tenho vontade de fazer acontecer. É claro que há momentos mais turbulentos de trabalho. E aí, nas férias, a gente aproveita, eu e meu marido, para curtir bastante a família, as crianças e deixar esse momento para eles. Agora, até o fim do ano, será muito trabalho pela frente. Elas estão preparadas para isso. Quando colocamos amor tudo fica mais fácil.

RT: Que tipo de mãe se define: rígida ou flexível?

GA: Eu gosto de educar por mais que eu erre. É uma tarefa difícil, mas tenho aprendido com eles.

RT: Acha que suas filhas, Antônia e Sophia, seguirão seu ofício?

GA: Elas são muito pequenas e a gente não cultua a nossa profissão dentro de casa. São crianças absolutamente normais, com vida da idade delas.

RT: Já se tornou tradição anual o “Bazar Giovanna Antonelli”, ação beneficente promovida por você, amigos e empresas parceiras. Explique mais sobre esse trabalho.
GA: No bazar que promovemos beneficiamos algumas instituições que mais precisavam. A proposta de clareza e transparência me atraiu muito. Precisamos continuar fazendo o bem para quem necessita.

 

Texto e entrevista: Michele Marreira