Se Paola Carosella fosse um prato teria tempero agridoce

Se Paola Carosella fosse um prato teria tempero agridoce
Se Paola Carosella fosse um prato teria tempero agridoce
Classificação do Usuário: 0 (0 votos)

Apaixonada, seu namorado, o fotógrafo irlandês Jason Lowe, mora em Londres. Os dois trabalham juntos no primeiro livro dela com receitas, sem data para ser lançado. Encontram-se uma vez por mês. Paola divide seu tempo entre o programa de TV, os cuidados com a filha, Francesca, de 4 anos (do relacionamento com um arquiteto argentino que vive em São Paulo), e a cozinha dos restaurantes Arturito e La Guapa. Depois de tantos anos metida entre colheres e panelas, hoje prefere se dedicar a pensar sobre o ciclo da produção e consumo de alimentos. Confira uma de suas saborosas receitas: bolo de banana e sementes.

Ingredientes

  • 1 xícara de farinha mista*
  • 1 xícara de farinha de amêndoas (amêndoa processada)
  • 5 colheres de sopa de açúcar de coco
  • Canela em pó
  • Essência de baunilha (opcional)
  • 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio
  • ½ xícara de nozes ou castanhas picadas
  • 3 colheres de sopa de sementes de chia
  • 1 pitada de sal marinho
  • 2 tâmaras Medjoul picadas (opcional)
  • 3 bananas muito maduras (se elas não estiverem maduras, deixar alguns minutos no forno)
  • 3 ovos orgânicos
  • 3 colheres de sopa de óleo de coco (alternativas: manteiga, ghee, azeite ou outros óleos)
  • *Farinha mista: partes iguais de farinha de aveia, coco, integral e/ou quinoa.

 

Modo de preparo

Pré-aqueça o forno, unte a forma com óleo de coco (pode ser qualquer óleo vegetal ou manteiga clarificada) e polvilhe com farinha integral. Amasse as bananas maduras. Misture em uma bacia os secos. Faça um furinho no meio da massa, e acrescente os ovos, as bananas amassadas, o óleo de coco e, se for o caso, a essência de baunilha, até formar uma massa homogênea. Em seguida, coloque a massa na forma e asse no forno a 200°C por 35 minutos.

Eu acredito

Nos ingredientes frescos, de boa procedência, naturais, bem criados, simples, nobres (é melhor pouco de algo muito bom, que muito de algo mais ou menos)
Numa mão suave e delicada, mas firme e bem intencionada.
No respeito pelo ingrediente, pelo colega, pelo fogo, pelo cliente, pelo agricultor, pelo pescador, pelo lixeiro, pela natureza.
Na constância, todos os dias, a mesma coisa, dia após dia, sem reclamar.
Na paciência, saber esperar, muitas coisas na cozinha demoram muitas horas, muitos dias, muitos meses para ficarem prontas. Assim como na vida… tudo tem seu tempo.
Na coerência, respeito as nossas raízes, o lugar, o clima, o momento.
Na humildade, o prato é quem fala, não é o cozinheiro.
No desejo. Por que sem desejo não atravessamos nem a rua.