Sopa, caldo ou creme: qual a diferença?

A estação mais fria do ano começa oficialmente no dia 21 de junho, onde os termômetros registram as mais baixas temperaturas do ano. Tem melhor maneira de se esquentar do que comer uma sopinha?

Sopa, caldo ou creme: qual a diferença?
Sopa, caldo ou creme: qual a diferença?
Classificação do Usuário: 0 (0 votos)

Sopa – Eis a mais genérica das três categorias, geralmente utilizada para se referir a todas as outras. É importante fonte de vitaminas e nutrientes, e costuma ser mais rala do que caldos e cremes. São cozidos de vegetais picados, carnes, peixes e mariscos. Há ainda as sopas frias, como gaspacho (tradicional sopa espanhola feita de tomate) e minestrone (italiana, é feita com legumes cortados, macarrão ou arroz).

Caldo – Tudo começa com o caldo. É o mais simples deles e ainda serve como base para os outros dois. De maneira geral, são preparados cozidos de legumes, carnes ou peixes, podendo ainda ser feitos, por exemplo, com os ossos da própria carne, espinhas ou a cabeça do peixe. Quanto mais tempo passar cozinhando, mais saboroso e gordo será o caldo. Os ingredientes mais comuns são cebola, alho, cenoura, salsão e alho-poró. Além disso, um preparado de ervas aromáticas (salsa, tomilho e louro), conhecido como “bouquet garni”, também pode entrar na jogada.

Creme – O mais espesso dos três, creme é normalmente um caldo que leva leite ou algum tipo de queijo. São mais grossos e gordurosos – ainda mais indicados para esquentar o corpo no frio. Como diz o próprio nome, creme é cremoso, e ai de quem discordar!

 

E o vinho

Como combinar e deixar o friozinho ainda mais aconchegante?
Nas noites de inverno, um prato de sopa é sempre reconfortante e acolhedor. Muitas pessoas até preferem fazer da sopa seu prato único, sem nenhum acompanhamento, além de um pedaço de pão.
Cada sopa, caldo ou creme vai encontrar sua cara-metade num vinho diferente, é fato. E isso vai depender dos ingredientes e da consistência do prato.
Mas se existe um tipo que foi feito para acompanhá-los, a resposta clássica é o tradicional Jerez (o mais emblemático fortificado da Espanha), imortalizado no clássico da enogastronomia, o filme Festa de Babette.
A sopa, afinal, já está lá para esquentar. Agora, as notas minerais e salinas que só Jerez consegue atingir é que fazem dele o parceiro ideal delas!
As sopas de uma maneira geral apresentam dois inconvenientes em termos de harmonização: alta temperatura e textura incompatível. Neste contexto, não desperdiçe uma grande garrafa com sopas. Vinhos complexos, elegantes e delicados, se perderão entre as colheradas de um caldo fumegante. Vinhos de bom teor alcoólico resistem mais à alta temperatura remanescente na cavidade bucal, justificando a opção pelos fortificados.